Notícias

Mais da metade do cerrado brasileiro já foi desmatado

O Cerrado brasileiro já perdeu quase metade de sua cobertura florestal original. Um estudo ainda inédito do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente identificou que 48,5% do Cerrado já foram desmatados, numa extensão de quase um milhão de km². A área é superior ao Estado do Mato Grosso e corresponde a 22 estados do Rio de Janeiro. Entre 5% e 6% do total desmatado teriam ocorrido de 2002 a 2008 — uma área entre 120.000 e 129.000 km². Os principais causadores da derrubada do bioma, considerado a mais rica savana do mundo, são as plantações de soja, a pecuária e a exploração de madeira para fazer o carvão que abastece siderúrgicas. Os dados ainda são preliminares e estão em fase de revisão. Os números oficiais deverão ser divulgados na próxima sexta-feira, Dia do Cerrado.

— É uma taxa alta, mas não é surpresa, porque o Cerrado vem sofrendo com o desmatamento desde os anos 1970. A má notícia é que continua acontecendo — disse Braulio Ferreira de Souza Dias, da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente.

— Nesse ritmo, em pouco tempo vamos chegar a um estado preocupante.

Se a gente comparar com a Mata Atlântica, que levou mais de 500 anos para perder 93% de sua cobertura, o Cerrado está sendo destruído muito mais rapidamente — observou Cesar Victor do Espírito Santo, do Conselho da Rede Cerrado, que congrega mais de cem ONGs

Bioma ocupa 1/4 do território nacional

Segundo o último estudo oficial, feito pela Embrapa Cerrados com base em dados de 2002, 39% do bioma haviam sido destruídos até aquele ano.

Os dados a serem apresentados esta semana tiveram mudança na metodologia e dão conta de que o desmatamento ocorrido até aquele ano era um pouco maior: 42%. No período estudado pela Embrapa, as áreas com menor preservação eram encontradas na porção sul do Cerrado: sul de Goiás, Triângulo Mineiro, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Por outro lado, os estados que mais tinham preservado eram Piauí, Maranhão e Tocantins.

O Cerrado, que tem pouco mais de dois milhões de km², ocupa 1/4 do território nacional e está presente em Goiás, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Piauí, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. A região é a principal produtora de grãos do país. Em extensão, é o segundo maior bioma da América do Sul, perdendo só para a Amazônia.

Em biodiversidade, é vice-campeão.

Até hoje foram registradas mais de 12.000 espécies de plantas, muitas delas só encontradas no Cerrado. Calculase que 40% das plantas lenhosas e 50% das espécies de abelhas só existem neste bioma, que responde por 5% da biodiversidade do planeta.

Para o Brasil, o Cerrado é estratégico do ponto de vista de recursos hídricos.

As três principais bacias hidrográficas do país têm a maior parte de suas nascentes no bioma: a Amazônica (Araguaia-Tocantins), a do ParanáParaguai e a do São Francisco.

— O Cerrado é fundamental para a preservação dos recursos hídricos.

O Cerrado é a caixa d’água do Brasil — diz Cesar Victor.

Junto com a notícia sobre o Cerrado, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, vai anunciar o 1oPlano de Combate ao Desmatamento do Cerrado.

A região será monitorada, a exemplo do que ocorre com a Amazônia.
— O Cerrado vai entrar no foco de prioridade — disse o ministro, informando que operações de combate ao desmatamento começarão por lá.
As ações previstas incluem a criação de novas unidades de conservação.

Na primeira revisão do Plano Nacional sobre Mudança do Clima, em junho de 2010, o governo pretende apresentar metas de redução do desmatamento para todos os biomas e não só para a Amazônia, como acontece atualmente — Sempre houve uma preocupação grande com a Amazônia, motivada inclusive por pressão internacional. Há uma tendência de se pensar que o Cerrado pode ser destruído em troca da manutenção da Amazônia, o que é lamentável — reclamou Cesar Victor.

O desmatamento no Cerrado pode comprometer os planos do Brasil de abocanhar a maior parte das verbas internacionais para projetos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal. É que as regras para projetos, que deverão ser regulamentadas na Cúpula da ONU sobre Mudanças Climáticas em dezembro, exigirão como contrapartida queda no desmatamento como um todo.

Postado

8.setembro | 2009


Imprimir


Compartilhar


Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 99925-1735 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb