Opiniões

Autoridade e poder

Um agradecimento a Sinésio Stefano Dubiela Ostroski

Armando de Melo Lisboa

19.novembro | 2015

Um agradecimento a Sinésio Stefano Dubiela Ostroski.

Na próxima semana nosso colega Sinésio, do Dpto. de Administração, aposenta-se, rendendo-se à norma legal do limite dos 70 anos. Todavia, jovial, disposto e altivo, tem muita vontade de continuar a contribuir com a UFSC, o que provavelmente fará agora com outro vínculo.
 
Por ter ingressado na UFSC em 2 de julho de 1965, inicialmente como Técnico-Administrativo, e depois como Docente, aqui trabalhou continuamente por 50 anos, quatro meses e três semanas (na data da jubilação). Tal longevidade de trabalho em nossa instituição é, talvez, inédita, e por si só justifica nossa homenagem e reflexão. Sinésio conosco colaborou das mais diversas formas, seja como fundador e membro das duas primeiras diretorias da FEPESE de 1977 a 1981, seja exercendo a Chefia Departamental e outros cargos, como o de Coordenador de Programação Financeira do MEC em Brasília por três anos.
 
Mas, face ao perfil do Sinésio, e a este raro momento, é propício resgatar a conhecida diferença entre poder e autoridade. Toda instituição tem seus poderes estabelecidos. A nossa, chefias, diretores, reitor; colegiados e conselhos. É sabido que muitas vezes há poder concentrado, mas falta autoridade. O divórcio entre poder e autoridade é fatal e perigoso para qualquer instituição, especialmente nos tempos atuais extremamente velozes.
 
Para atravessá-los é necessário mais do que a simples atenção aos marcos legais, à ordem institucional e aos jogos de poder. Para não naufragar neste turbilhão, carecemos de âncoras emocionais e morais, virtudes e valores, de referências que nos deem a direção a ser buscada. Sem elas, perdemos o rumo e o sentido, e nos fragilizamos.
 
As instituições aprendem e evoluem, é a lição básica de qualquer teoria da organização. Ela é ainda mais válida no presente mundo das redes organizacionais, onde o fluxo de informações não se dá mais de forma radiofônica ou em mão única. Nas redes observamos o fenômeno da emergência, sistemas que se auto-organizam e nos quais os padrões hierárquicos puros não são eficazes, pois a eficiência exige cada vez mais transparência e legitimidade, do que força e rigidez burocrática. Ou seja, mais autoridade que poder.
 
Ocorre que a autoridade brota do exercício de virtudes, as quais não se aprendem em livros, mas com exemplos. O progresso coletivo exige uma comunidade organizada para contar com relações continuadas e experiências acumuladas. Se isto não se opera, há um imenso déficit estrutural na forma de baixo nível de lealdade institucional, diminuição da confiança e enfraquecimento do conhecimento organizacional, gerando ineficiências e desperdícios.
 
O aprendizado é acumulativo, ou não é. Uma instituição que desdenha da experiência acumulada é uma instituição fraca, que, ao se recusar a aprender, não acumula conhecimento, não evolui e progride, pelo contrário. Nas universidades isto é absolutamente decisivo. Não por acaso, o decanato é uma práxis relevante e comum nas melhores universidades. Ou seja, “velho não significa obsoleto. Quantas verdades elementares só se tornam verdades quando já se é suficientemente velho para reconhece-las, e suficientemente desprendido para enuncia-las?”[1] Todavia, em nossa universidade não tem nenhum status... Aqui, ao contrário, a norma que regula a condição de “voluntário” em alguns aspectos humilha e dificulta aos mais antigos aqui permanecer dando preciosas contribuições.
 
Para além de exaltarmos neste momento o caráter do Sinésio, transparente na sua liberdade e generosidade, seu permanente compromisso com esta universidade, seu constante bom humor, sua capacidade de sempre se renovar, e de publicamente reconhecer sua inestimável autoridade, esta homenagem é uma oportunidade para que a UFSC reveja a forma como se organiza de modo a valorizar seu capital social, a experiência de sua gente, condição para que avancemos para patamares acadêmicos muito maiores do que os já alcançados.
 
Obrigado, Sinésio, por todas estas lições.
 
*Armando de Melo Lisboa
Professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais 

 
[1] Wanderley G. dos Santos. “Ordem burguesa e liberalismo político”. São Paulo: Duas Cidades, 1978, p. 13.

O princípio que rege a publicação de artigos nesta seção Opiniões é o da plena liberdade de expressão dos professores, de forma a garantir um canal que expresse a pluralidade ideológica dos filiados à Apufsc-Sindical. Fica claro que as opiniões expressas nos textos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, e que a entidade e sua diretoria não se responsabilizam pelo conteúdo. Eventuais consequências decorrentes da violação da lei ou da imagem de pessoas citadas nos textos, bem como casos de calúnia, difamação ou injúria, serão assumidas exclusivamente pelos autores que os subscreveram.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 99925-1735 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb