Notícias

Onyx compara cortes na educação a economia para compra de vestido de festa

O ministro também negou que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC. 

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, comparou hoje os cortes na educação a dificuldades financeiras de uma família para a compra de um vestido para festa de 15 anos da filha. 

"É que nem o pai, que tem um salário e sabe que tem que comprar o vestido de 15 anos da filha lá em outubro, mas ele está em maio. Aí, ele vai vendo o que vai entrando, o que vai gastando, e diz: ‘ih, pode ser quem não dê, então, eu não vou sair para comprar churrasco, não vai ter cervejinha no final de semana, eu não vou comprar o tênis do João", afirmou o ministro ao argumentar que não se tratam de cortes, mas sim de uma reserva orçamentária. 

"O que ele faz? Ele contingencia, ele protege, ele guarda o seu gasto. Isso é uma atividade responsável, é isso que o governo do presidente Bolsonaro está fazendo", defendeu.

As declarações foram feitas pelo ministro na manhã desta quarta-feira (15), dia em que protestos contra o corte ocorrem no País inteiro. O ministro falou durante um encontro com dirigentes das empresas de rádio e TV de Santa Catarina, realizado em Brasília. 

Depois de o Ministério da Educação ter anunciado a redução de 30% do orçamento da pasta, foram marcadas manifestações em todo o país em defesa de recursos para a educação nesta quarta.
Os cortes atingiram desde o ensino básico ao superior e reduziram o orçamento das universidades federais, bloqueando bolsas de pesquisa.

O ministro negou ainda que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC. 

Na terça-feira (14), deputados disseram no plenário da Câmara terem ouvido o presidente Jair Bolsonaro pedir para que o corte de recursos fosse revisto. 

Logo na sequência, a Casa Civil, o MEC e o Ministério da Economia divulgaram notas afirmando que o contingenciamento seria mantido.

Onyx disse nesta quarta que houve um equívoco por parte dos deputados e que os recursos seguirão represados. 

"Houve uma confusão entre o que é contingenciamento do que é corte. Os parlamentares que têm universidades federais na sua base, é normal, é natural é desejável, que eles lutem pelas suas universidades, porque elas são importantes para suas comunidades", disse.

Ainda sobre a educação, Onyx disse que o Brasil é um "case negativo" no mundo, argumentando que quando é elevado o tempo de escolaridade dos alunos, não há impacto econômico no país.
"A educação brasileira, ela tem um caso raro, é um case negativo raro no mundo. O Brasil é o único país do planeta que tu aumenta o tempo de escolaridade e não tem impacto econômico. Vou repetir: tu aumenta os anos de escolaridade e o Brasil é o único país do planeta em que não há impacto econômico nisso", disse.


Leia Mais: Folha de S. Paulo 

Manchete

O ministro também negou que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC.


Postado

15.maio | 2019


Imprimir


Compartilhar


Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 99925-1735 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb